Logon
Dois anos de papa Francisco
06/03/2015

 

Humildade é a marca dos dois anos do pontificado de Francisco

Católicos de todo o mundo comemoram os dois anos de pontificado do papa Francisco, em 13 de março. Com a popularidade em alta, o Papa é um sucesso na internet, com mais de 18 milhões de seguidores. No mundo real, o carinho dos fiéis pelo Santo Padre é ainda maior. Em seu primeiro ano de pontificado, 6,6 milhões de pessoas foram ver o papa Francisco no Vaticano. Um público três vezes maior do que o de Bento XVI. Com o feito, ele pode se tornar um dos papas mais conhecidos da história.

A popularidade de Francisco superou a do papa João Paulo II. Uma pesquisa divulgada pelo Instituto Demopolis na mídia, durante as comemorações do primeiro ano de pontificado, revelou que 90% dos italianos têm confiança no papa argentino. Entre os entrevistados, estavam também os não católicos e ateus. Francisco é o primeiro papa não europeu em mais de mil anos.

O Papa conquistou tamanha popularidade por seu carisma e estilo simples, sua presença missionária. São belos exemplos transmitidos aos fiéis, como o uso de vestimentas simples, morar como outros dirigentes da Igreja, andar a pé, dentre outros. O Santo Padre governa a Igreja com alegria e simplicidade.

 

A cruz do Papa

Entre as peculiaridades do Pontífice está a cruz, a mesma que ele utilizava diariamente na Argentina, antes de se tornar papa. Diferentemente da tradicional cruz, onde há a figura do Cristo crucificado, a imagem retratada é de Jesus Cristo com os braços em cruz e uma pomba, reflexo do Espírito Santo, na parte superior.

No centro da cruz está a cabeça de Cristo, que simboliza a mente de Deus. As suas mãos cruzadas junto do seu Coração, o Coração de Deus, a agarrar a ovelha, recorda Cristo a agarrar toda a humanidade, o rebanho do Pastor, os filhos dos homens que são os filhos de Deus.

Ao contrário de um Cristo crucificado, cujas mãos paralisadas e pregadas à cruz remontam a um momento de grande dor e tortura, a cruz nos lembra Cristo vivo e ressuscitado, vencedor da morte, que continua a sustentar, a servir, a amar e a redimir a humanidade dos males que hoje em dia padece.

Há, ainda, a imagem de um rebanho, simbolizando o rebanho de Cristo. O redentor carrega uma das ovelhas aos ombros e com os braços cruzados. Nessa ovelha, funde-se o resto do rebanho em forma triangular em direção à pomba do Espírito Santo, com irradiações entre o rebanho e a pomba.

A pomba tem a forma de um cálice. O fato de estar de cabeça para baixo e as asas apontadas para cima nos lembra a imagem de uma meia-lua, símbolo da morte e ressurreição.

Temos um Deus ressuscitado que, como professamos no Símbolo dos Apóstolos (Creio), “vem julgar os vivos e os mortos”, com uma Palavra de amor e misericórdia, como tanto tem insistido o papa Francisco neste seu pontificado: o nosso Deus é um Deus de misericórdia, sempre pronto a ir em busca da ovelha perdida.

 

Fonte: http://ensgaia.blogspot.com.br/2014/06/cruz-do-papa-francisco.html

Matéria publicada originalmente na edição de março/2015 da Revista A TURMA.